5-pratos-para-quebrar-2014

Falta pouco. Só mais um dia e o ano chega ao fim. Esse ano foi cheio de forninhos para segurar e alguns eu simplesmente não quero mais segurar em 2015. Rolaram várias decepções, quebrei a cara profissionalmente, enfrentei uma depressão e perdi minha super auto estima e alegria. Foi bem foda e eu me vi sozinha em diversas situações sem ter pra onde correr, seja para buscar apoio ou para pedir ajuda. Passei a enxergar toda essa vibe ruim do ano todo como uma lição fodona e entendi que com todas as situações eu aprendi muito. Evoluí. E no fim das contas é isso que importa. De qualquer maneira fiz a limpa no histórico de 2014 e aqui vão 5 pratos para quebrar em 2014.

Amizades rasas
Foi vivendo uma vida mais tranquila socialmente que eu pude perceber quem, de alguma maneira, se importava com a amizade mantida entre nós. É triste, mas eu já nem consigo mais me imaginar sentada numa mesa de bar por horas com algumas pessoas.

Confiar no apoio profissional aleatório
A única pessoa que vai dar valor de verdade ao seu trabalho é você mesmo. Pessoas vão te apoiar, vão te incentivar, vão até se oferecer para ajudar, mas na real a única pessoa que vai acreditar mesmo naquilo é você. Isso dói, porque só você sabe o quanto seu trabalho é importante pra você e o quanto você leva a sério.

Trabalhar de graça
No intuito de adquirir experiência e ajudar ao próximo presenteando com um trabalho meu, me lasquei bonito algumas vezes. Aprendi que ninguém leva a sério quem trabalha de graça porque se for para pagar, vão procurar pagar alguém mais competente. A experiência dos trabalhos que eu fiz sem cobrar nada esse ano foram maravilhosas, sem dúvidas me ensinaram bastante, mas em 2015 meu trabalho é meu trabalho e é o que me sustenta. Só será de graça quando for voluntário para ajudar uma causa e não para “presentear” pessoas. Claro que algumas pessoas souberam ser bastante gratas de maneira super legal ao que eu fiz e essas eu acredito que tenham sido merecedoras, mas outras simplesmente desaparecem da sua vida e algumas nem se dão ao trabalho de agradecer.

Rotina desorganizada
Na verdade eu me organizei muito bem esse ano, mas faltou botar em prática. Isso envolve organizar melhor meu tempo para praticar exercícios, trabalhar e descansar. Acredito que agora que Alice está maior e já me entende melhor, fique mais tranquilo de encaixar as coisas incluindo ela.

Chega de ansiedade
Eu sou extremamente ansiosa e fico querendo fazer tudo pra ontem quando boto uma ideia na cabeça. Isso me deixa nervosa, angustiada e pior, acaba me deixando tão focada na telinha do computador e tirando tempo que eu poderia estar aproveitando com a minha filha. Em 2015 eu vou me organizar e levar uma vida mais leve, com menos cobrança, muito amor ao meu trabalho e dedicação à minha vida.

Claro que 2014 também foi um ano legal em outros aspectos. Passei a me dedicar de uma forma diferente ao blog e pude conhecer, mesmo que virtualmente, pessoas maravilhosas que eu pretendo muito conhecer offline. Foi um ano que eu pude reforçar meu pensamento de que nada é mais importante do que a nossa felicidade e que com todas as decepções no campo de amizades eu pude selecionar quem eu realmente quero ao meu lado para sempre. Que 2015 seja um ano leve, de realizações e muitas alegrias, para todos nós! ❤

Esse post faz parte da blogagem coletiva do Rotaroots e você pode ver todos os posts que eu já publiquei e se quiser participar faça parte do grupo no facebook e saiba como.

imagem: morethanthecurve.com
Compartilhe:
Escrito por Stephanie Salateo
mãe de Alice e Caetano, fotógrafa documental, crio conteúdo criativo e tomo muito café. tenho 31 anos, sou geminiana com ascendente em câncer e lua em leão. tô aqui para ajudar mulheres a se empoderarem, mães a levarem uma maternidade mais leve e para compartilhar meus aprendizados.